terça-feira, 4 de janeiro de 2011

seremos a geração do não, musicialismo.

seremos a geração do não,
musicialismo.
     não perderemos a canção
     nem o cisto. seremos o coração da ação.

nada mais do que isto.
seremos paixão
e abismo.

     seremos qual cisco
colhido em vinténs,
          se espalharão
          além e a quéns.

seremos qual lixo.

     seremos a geração do não.
     tempo de morte e de cristos.
não morrerão
nem nunca estarão vivos.
          seremos a geração
     dos livros
comprados sem razão
          nem visto.

               não nos valerá ninguém. só o silêncio

ou o haver.

          o apocalipse absoluto da forma
          e da poesia.
               não nos valerá ninguém.

seremos
a geração do não, "tempo',
como diria drummond,
'de absoluta de-
puração".

       somos a geração do não.

- o dia em que a terra cair
por cima das tempestades
e o mundo fluir
     sem vãs veleidades.

          o apocalipse de todas as gerações.
                    todas as sanções
do mundo anterior.
só isso
     e basta.
           

Nenhum comentário:

Postar um comentário